Arquivo da Categoria futilidade

Menos futilidade, mais amor.

07 de dezembro de 2015
Um certo dia, eu recebi uma ligação de que tinha sido aceita no estágio que eu queria e que deveria ir de tênis, uma vez que iríamos para campo no primeiro dia de trabalho. Tudo bem, não é? Afinal, eu sabia que iria visitar muitos lugares, fazer vistorias e plantas como minha profissão faz. Aprenderia muito sobre construção civil, habitação e a realidade social. Nada melhor do que aprender, não é? Mas não foram só sobre edificações que o estágio me trouxe aprendizados, foi principalmente sobre a vida.

Quando chegou o dia, acordei com o máximo de ansiedade que pode existir e fui à cara e na coragem. Ao chegar ao lugar, fiquei sabendo que eu e os outros estagiários iríamos fazer um trabalho numa comunidade, nunca tinha ouvido falar dela e depois fui informada que lá era onde ficava o antigo lixão da minha cidade. Dali, eu já entendi que iria ver um mundo diferente do meu. Apesar de não ser da classe alta, meus pais sempre me deram tudo que eu precisava. Estudei em boas escolas, tinha comida e um bom lugar para dormir. Nada me faltava e nunca faltou. Então, seguimos para a tal comunidade. Sim, eu estava certa. Era um mundo totalmente diferente do que eu conhecia, tinham casas de alvenaria e outras de papelão. Em algumas moradias, nem divisão de cômodos tinha, em outras eram feitas com lençóis. Em uma delas, eu conheci uma garotinha. Aquilo ali, me fez crescer mais do que eu tinha crescido em toda minha vida.


A menina, de apenas cinco anos, estava descalça, magrinha e um pouco suja. Mesmo assim, era linda. Olhou para os meus pés e viu meu tênis, novinho, e disse que o sonho dela era ter um tênis rosa. Meu coração quebrou. Acho que ele nunca tinha ficado tão partido, tão angustiado. A gente reclama de tantas coisas, não é? De não ter um celular da última geração, de não ter uma câmera boa, de não usar roupa de tal marca, de não ter milhões de seguidores no Instagram ou até de não comer naquele restaurante chique que está na moda. A menina, só queria um sapato. Na hora, eu não sabia como reagir. Não sabia o que pensar. Senti que eu era uma péssima pessoa. Sai de lá com todos os pensamentos possíveis.

Então, o tempo foi passando. Vi muitas meninas como ela, visitei muitos lugares com situações piores, conheci muita gente que passava por dificuldades inimagináveis. Eu sempre soube que a vida era difícil, mas não tanto. Desde criança ouvi que existiam pessoas que passavam fome, frio e sede, mas não pensava que era assim. Já tinha visitado asilos, conhecido histórias pesadas. Também já tinha ido a orfanatos, e, infelizmente, visto pessoas com doenças sérias. Então, ao refletir sobre isso tudo, decidi tentar um pouco a visão do mundo de outras pessoas. Talvez eu não consiga, mas é necessário.

Devemos deixar a futilidade de lado, pensar mais no outro e tentar ajudar os outros. Você não precisa doar seus bens, não precisa parar de usar suas roupas de marca ou de frequentar lugares mais chiques. Você só precisa doar amor, enxergar com mais amor. Verá que ajudará pessoas, em alguns casos, apenas com seu sorriso. Perceberá que só em ouvir alguém desabafar, poderá está salvando uma vida. Visitando uma casa de apoio, fará alguém mais feliz. Algumas ações, por mais que pequenas, são grandiosas quando feitas pelo coração. Eu mudei muito, amadureci um bocado e só firmei o meu sonho de ser alguém cada vez melhor. Talvez o meu milagre fosse aquele dia qualquer em novembro de 2013, mas o seu pode ser qualquer minuto. Basta você abrir sua alma. A vida é muito mais do que nossos olhos enxergam.
Apenas uma reflexão <3 

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.