Arquivo da Categoria desabafo

Ninguém aguenta mais.

21 de julho de 2017

35879981812_f7386f2d1e_o

Quantas vezes a gente gritou por aí que simplesmente não dava mais? Que estava difícil continuar como as coisas estão? Lembro dos meus sonhos de quando criança, aqueles ditos como tolos pelos nosso pais. Você nunca quis ser bailarina? Atriz? Jogadora de futebol? Bom, a maior campeã da bola de ouro tem o meu nome. Eu queria ser como ela. Obviamente não consegui. Não coloquei minhas asas e sai voando como esperava que fosse possível no futuro do passado, hoje, presente. Eu simplesmente estacionei aqui onde estou. Sinto que estou decepcionando quem já fui algum tempo. E ninguém ver isso.

É estranho. Estranho mostrar, falar e deixar marcas por aí que estamos chegando no nosso máximo e ninguém perceber. Bom, eu não sei você, mas já andei pelas ruas da cidade com o pulso aberto dando adeus a todas as esquinas que eu passei completamente sozinha. Sem olhares. Sem vozes. Apenas eu. De tal forma que se eu vestisse uma capa de invisibilidade nada mudaria. Tudo continuaria da mesma forma. Simplesmente porque nós, bem, nós não buscamos enxergar a alma do outro. E é a alma que anda por aí segurando cordas no pescoço, facas no pulso e comprimidos na mão. A gente só ver aquela parte de carne que se esconde atrás de máscaras de sorrisos. Esses somos nós.

Somos assim até algo drástico acontecer e tentarmos ver o que não foi visto antes. Até tentarmos ouvir os gritos que não foram ouvidos antes. Até tentarmos ler o que não quisemos ler antes. Até não podermos fazer mais nada além de nós arrepender. Porque o que passou já foi embora. Não volta. Fica numa parte da nossa vida que só será vista de novo na nossa memória. Isso é, se não já perdemos também. Por isso a gente tem que usar mais óculos e enxergar as coisas antes delas virarem a rua. Não precisamos perder o que a gente ama. Não precisamos perder mais ninguém. Ainda podemos salvar mais pessoas. Inclusive a nós. Só precisamos olhar.

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Caminhos

20 de maio de 2017

Eu nunca fui boa com senso de direção. “Esquerda ou direita? Deixe-me ver com que mão eu escrevo.” Sempre foi assim comigo. Obviamente eu deveria saber que não iria fazer o percurso correto no rumo que minha vida iria tomar. Mas eu não soube. Eu me joguei em meio às estradas como quem pula numa piscina funda. Não imaginei que me machucaria. Contudo, a piscina era rasa. A estrada não tinha saída. Eu confundi, pensei estar na esquerda quando estava na direita. E então, tudo o que poderia me fazer bem tomou um efeito reverso e eu me envenenei. Bom, você já deve ter ouvido falar que remédio em dose errada se torna Veneno e Veneno em dose certa se torna remédio. Isso que acontece quando tu caminhas erroneamente e não percebes logo. Isso que aconteceu comigo. Eu saí caminhando sem parar, sem refletir, apenas indo e esperando chegar a parte boa. Mas, espera aí, a parte boa está também nos passos que a gente da. Eu deveria ser feliz percorrendo também. A felicidade final é consequência da junção de todos os momentos alegres que a gente constrói até chegar lá. Entende porque é necessário saber em qual terra você está pisando? Em que nós estamos pisando. Com quem você está pisando.

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Sentimentos

06 de dezembro de 2016

Martinha Barreto

Acendi as luzes do meu quarto. Todas elas. As azuis, a luminária em forma de coroa e a lâmpada normal. Queria tudo claro, inclusive meus pensamentos. Era mais um fim de ano que se aproximava e tudo continuava como sempre esteve: confuso. É sempre assim quando assunto sou eu. As coisas que são para dar certo, não dão. As pessoas que eram pra ficar, não ficam. Os sonhos que eram pra se realizar, não se realizam. Eu fico sentada, em qualquer lugar da cidade, sentindo uma nostalgia de tudo que se foi, pensando em como as coisa chegaram até esse ponto. Perguntando-me onde errei. E nenhuma resposta vem… Ela nunca vem. Mas, ao acender tudo, ao fazer tudo brilhar, consigo enxergar o porquê de algumas coisas terem de dá errado. Ah, eu deveria saber. Precisamos sentir o peso do ruim pra valorizar o bom. 

Se tudo sempre desse certo, se tudo ficasse pronto no tempo certo, eu ou você não iriamos ficar felizes no fim do dia. A rotina cansa qualquer um. Sim, isso também faz o problema das coisas acontecerem sempre de forma inadequadas nos atingirem tanto, acontecer é melancólico por si só e piora por cansar já que é rotineiro. Eu fico exausta, anestesiada e com uma baita vontade de largar tudo e fugir. Fugir pro tempo em que tudo estava sob controle de não ter responsabilidades. Fugir pra trás. Fugir pra onde não posso voltar. Comprar uma máquina que me faça reviver tudo novamente sem errar. Mas, nós sabemos bem, não é possível.

Nunca é possível. A gente continua no mesmo lugar, na mesma cama, no mesmo quarto, com as mesmas luzes. Pensando, escrevendo e ouvindo música. Esperando mais alguma coisa ruim acontecer pra depois comemorar o fim do pesadelo ter acabado. Como um ciclo. Esse é o ciclo da vida. É, eu sei que crescemos pensando que a vida é só nascer, crescer e morrer. Pois bem, não é assim. A gente até nasce, mas pra crescer temos que sofrer um pouco. Ou muito. O brilho me faz perceber isso. A música de Lucy Rose ao fundo também. Não importa o que eu faça pra fugir dos que vem até mim, sempre irei bater de frente no que tem que acontecer. Posso até estar cansada, mas virá. Sempre vem. A diferença é que agora todas as luzes estão acesas. Inclusive as da minha alma. 

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Explosão de Sentimentos

17 de junho de 2016
9 comentários

image

Olho para o meu reflexo no espelho e não vejo nada mais, nada menos do que lágrimas. Um reflexo meio turvo, quem será que eu me tornei e onde irei chegar com isso tudo? Sou uma bomba de sentimentos ambulante. Quando explodi, levei todos eles juntos ao ápice. Logo então, próximos novamente, tornei-me uma bomba mais forte ainda. Isso não seria um pecado, uma dor, uma maldição se existissem mais bombas de sentimentos por aí ou não fossem tão comum encontrar pelas calçadas grandes explosivos da maldade. A contradição das emoções é a suprema realidade e a conseqüência é ser errado sentir? Sim, é.

Mas como fugir do seu “eu interior”? Seria tão mais fácil se tudo isso não existisse. Seria tão mais fácil se meus olhos não enxergassem a dor que o mau traz na vida das pessoas. Eu absorvo. Absorvo muito os sentimentos alheios, o bastante para me tornar fruto deles. Todas as lágrimas que caem dos meus olhos não são só descendentes das minhas dores pessoais, dos meus problemas matinais ou daquele vidro no qual me cortei esses dias. Elas são frutos do olhar triste daquela senhora da parada de ônibus. Daquela menina que escondia melancolia atrás de uma gargalhada alta, mas que ali senti mais desalento do que felicidade. Elas ainda são filhas do pedido de socorro que li em meio a fotos de festa e bebida na rede social daquele menino que você conhece. Eu sinto. Eu sinto absurdamente a consternação que vivência o mundo hoje.

Sei que parece fácil ignorar, correr e fingir que nada disso faz parte de mim. Sei que vestir uma máscara é a solução para outras bombas como eu. Porém, não é todo dia que consigo me abster do que corre pelo meu sangue. Hoje, mais do que nunca, eu sou apenas uma bomba de sentimentos. Sinto tudo. Amor, dor, saudade, angústia, remorso. Mas, de todas emoções que passam por aqui, de longe, a que mais dói é a saudade. Principalmente daquilo que nunca mais irá voltar: o tempo.

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Movimento Pode Desabafar!

14 de janeiro de 2016
Sabe aqueles dias em que a gente só quer sair correndo gritando? Ou que queremos jogar tudo o que sentimos pra fora, mas temos medo da opinião alheia? Bom, trouxe aqui uma solução, uma vez que isso sempre acontece comigo. Que solução é essa? O movimento Pode Desafabar! “Ok, martinha, legal e tal, mas como funciona isso?” Bom, você nos manda um e-mail desabafando, e nós te respondemos. “Ah, legal, mas quem são vocês?” Poxa, me desculpa por não ter dito antes. O movimento é formado por 5 blogueiras (eu, Vanessa, Camila, Samara e Nicole) e antes que você pergunte, você é quem escolhe como podemos te responder: vídeo, post no blog, fanpage ou pelo próprio e-mail mesmo. O que importa é que a gente te ajude!  
A nossa intenção é ajudar aqueles que precisam de uma palavra amiga, um conselho ou uma ajuda rápida. Sabemos o quão difícil é confiar nas pessoas hoje em dia, ou melhor, o quão difícil é reconhecer que temos problemas e desabafar com alguém. Sempre queremos ser fortes, não é? Mas extravasar não te faz fraco, não esqueça disso nunca. Se você precisa conversar com alguém, converse. Isso vai te ajudar.  
Mas, qual o email? É esse: pdresponde@gmail.com 
E qual de vocês irá me responder? Qualquer uma. Será um sorteio.  
Eu preciso me identificar? Não. Isso fica a seu critério.  
Posso divulgar o projeto pra outras pessoas? Com certeza!  
Por fim, é isso. Qualquer dúvida, podem comentar aqui ou mandar um e-mail. Esperamos que vocês participem do projeto e lembrem da gente quando precisarem desabafar. Estamos aqui pra isso! Ah, não esqueçam: se cada um plantar um pouquinho de amor todos os dias, colheremos um mundo mais amoroso no futuro. Plantem amor! Um beijo. 

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.