Arquivo da Categoria confiança

Use esse espelho pra se ver.

03 de julho de 2018
Nenhum comentário

Senta aqui. Vamos conversar um pouco. Finja que eu não sou outra pessoa, que eu sou apenas você. Tome este espelho e se olhe. O que você ver? Até onde você consegue ir olhando dentro dos seus olhos? Somos tão intensos, não é? As vezes fico perdida quando me olho assim. Mas, é óbvio que você precisa ir além. Sinto que ainda não se encontrou e o grande motivo disso tudo é a falta de conhecimento pessoal. Você não se olha, você não se enxerga verdadeiramente. Perde tanto tempo olhando os outros, querendo ter aquela vida encantadora que mostram ter e esquece que dentro de ti existe um encanto sem tamanho. Você é mais. Mesmo que tente achar um menos, não há sinal aqui que não seja o mais. Veja bem, já passastes por tantas coisas que quem está de fora ver força ao olhar pra ti. Parece até tolice dizer isso, entretanto é a realidade. Ao parar um pouco pra examinar os detalhes dos seu olhar, há uma possibilidade de tu enxergar isso. Lembre-se de todas as lágrimas que por ele já desceu, quantas delas foram de alegria e quantas delas foram você gritando que o esgotamento parecia ter chegado? E bem, não chegou. Aí você vivo. Ao olhar para tua boca, lembre-se de todos os sorrisos que dela já brotou. Quantas palavras dela já saíram e machucaram alguém? Ou melhor, quantas delas já foram o motivo de alguma pessoa ir dormir bem? Você faz é já fez coisas memoráveis, veja só. Aí dentro deste espelho há todas as suas qualidades e todos os seus defeitos. Sei que é difícil aceitá-los, mas eles não são tão ruins assim. Há maneiras de se lidar. Há maneiras de colocá-los atrás da porta da vida, basta você conhecer cada um. Dê uma chance a si mesmo. Se conheça. Só você pode saber até onde vai a verdade em si mesmo, ouviu? Só você.

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Caminhos

20 de maio de 2017

Eu nunca fui boa com senso de direção. “Esquerda ou direita? Deixe-me ver com que mão eu escrevo.” Sempre foi assim comigo. Obviamente eu deveria saber que não iria fazer o percurso correto no rumo que minha vida iria tomar. Mas eu não soube. Eu me joguei em meio às estradas como quem pula numa piscina funda. Não imaginei que me machucaria. Contudo, a piscina era rasa. A estrada não tinha saída. Eu confundi, pensei estar na esquerda quando estava na direita. E então, tudo o que poderia me fazer bem tomou um efeito reverso e eu me envenenei. Bom, você já deve ter ouvido falar que remédio em dose errada se torna Veneno e Veneno em dose certa se torna remédio. Isso que acontece quando tu caminhas erroneamente e não percebes logo. Isso que aconteceu comigo. Eu saí caminhando sem parar, sem refletir, apenas indo e esperando chegar a parte boa. Mas, espera aí, a parte boa está também nos passos que a gente da. Eu deveria ser feliz percorrendo também. A felicidade final é consequência da junção de todos os momentos alegres que a gente constrói até chegar lá. Entende porque é necessário saber em qual terra você está pisando? Em que nós estamos pisando. Com quem você está pisando.

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Sentimentos

06 de dezembro de 2016

Martinha Barreto

Acendi as luzes do meu quarto. Todas elas. As azuis, a luminária em forma de coroa e a lâmpada normal. Queria tudo claro, inclusive meus pensamentos. Era mais um fim de ano que se aproximava e tudo continuava como sempre esteve: confuso. É sempre assim quando assunto sou eu. As coisas que são para dar certo, não dão. As pessoas que eram pra ficar, não ficam. Os sonhos que eram pra se realizar, não se realizam. Eu fico sentada, em qualquer lugar da cidade, sentindo uma nostalgia de tudo que se foi, pensando em como as coisa chegaram até esse ponto. Perguntando-me onde errei. E nenhuma resposta vem… Ela nunca vem. Mas, ao acender tudo, ao fazer tudo brilhar, consigo enxergar o porquê de algumas coisas terem de dá errado. Ah, eu deveria saber. Precisamos sentir o peso do ruim pra valorizar o bom. 

Se tudo sempre desse certo, se tudo ficasse pronto no tempo certo, eu ou você não iriamos ficar felizes no fim do dia. A rotina cansa qualquer um. Sim, isso também faz o problema das coisas acontecerem sempre de forma inadequadas nos atingirem tanto, acontecer é melancólico por si só e piora por cansar já que é rotineiro. Eu fico exausta, anestesiada e com uma baita vontade de largar tudo e fugir. Fugir pro tempo em que tudo estava sob controle de não ter responsabilidades. Fugir pra trás. Fugir pra onde não posso voltar. Comprar uma máquina que me faça reviver tudo novamente sem errar. Mas, nós sabemos bem, não é possível.

Nunca é possível. A gente continua no mesmo lugar, na mesma cama, no mesmo quarto, com as mesmas luzes. Pensando, escrevendo e ouvindo música. Esperando mais alguma coisa ruim acontecer pra depois comemorar o fim do pesadelo ter acabado. Como um ciclo. Esse é o ciclo da vida. É, eu sei que crescemos pensando que a vida é só nascer, crescer e morrer. Pois bem, não é assim. A gente até nasce, mas pra crescer temos que sofrer um pouco. Ou muito. O brilho me faz perceber isso. A música de Lucy Rose ao fundo também. Não importa o que eu faça pra fugir dos que vem até mim, sempre irei bater de frente no que tem que acontecer. Posso até estar cansada, mas virá. Sempre vem. A diferença é que agora todas as luzes estão acesas. Inclusive as da minha alma. 

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

Explosão de Sentimentos

17 de junho de 2016
9 comentários

image

Olho para o meu reflexo no espelho e não vejo nada mais, nada menos do que lágrimas. Um reflexo meio turvo, quem será que eu me tornei e onde irei chegar com isso tudo? Sou uma bomba de sentimentos ambulante. Quando explodi, levei todos eles juntos ao ápice. Logo então, próximos novamente, tornei-me uma bomba mais forte ainda. Isso não seria um pecado, uma dor, uma maldição se existissem mais bombas de sentimentos por aí ou não fossem tão comum encontrar pelas calçadas grandes explosivos da maldade. A contradição das emoções é a suprema realidade e a conseqüência é ser errado sentir? Sim, é.

Mas como fugir do seu “eu interior”? Seria tão mais fácil se tudo isso não existisse. Seria tão mais fácil se meus olhos não enxergassem a dor que o mau traz na vida das pessoas. Eu absorvo. Absorvo muito os sentimentos alheios, o bastante para me tornar fruto deles. Todas as lágrimas que caem dos meus olhos não são só descendentes das minhas dores pessoais, dos meus problemas matinais ou daquele vidro no qual me cortei esses dias. Elas são frutos do olhar triste daquela senhora da parada de ônibus. Daquela menina que escondia melancolia atrás de uma gargalhada alta, mas que ali senti mais desalento do que felicidade. Elas ainda são filhas do pedido de socorro que li em meio a fotos de festa e bebida na rede social daquele menino que você conhece. Eu sinto. Eu sinto absurdamente a consternação que vivência o mundo hoje.

Sei que parece fácil ignorar, correr e fingir que nada disso faz parte de mim. Sei que vestir uma máscara é a solução para outras bombas como eu. Porém, não é todo dia que consigo me abster do que corre pelo meu sangue. Hoje, mais do que nunca, eu sou apenas uma bomba de sentimentos. Sinto tudo. Amor, dor, saudade, angústia, remorso. Mas, de todas emoções que passam por aqui, de longe, a que mais dói é a saudade. Principalmente daquilo que nunca mais irá voltar: o tempo.

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.

5 aprendizados que 2015 me trouxe.

22 de dezembro de 2015


Hoje quis fazer um post diferente, quis falar a vocês sobre os 5 maiores ensinamentos que eu tive em 2015. Afinal, foi um ano em que eu não consegui fazer universidade (eu passei para o 2015.2 e devido a greve, meu curso que começaria em agosto só irá começar em fevereiro), conclui meu estágio e passei por grandes problemas na minha vida pessoal. Ou seja, foram 365 dias de muitas descobertas, aprendizados e tapas na minha cara. Vamos lá?

1 –  A gente só colhe o que planta.

Sempre soube disso, aliás, sempre ouvi falar disso, mas foi nesse ano que ratifiquei essa minha tese. Em 2014, eu tive a minha fé a prova inúmeras  vezes. Saia de casa as 07:00 da manhã e voltava as 23:00. Era estágio, ifpb, cursinho pro vestibular e monografia. Todos os dias. Sempre me disseram “ou você só faz uma coisa ou não irá conseguir ser boa em nenhum dos 4.” E adivinhem? Consegui finalizar com mérito nos 4. Claro que alguns resultados só vieram sair esse ano, então sim, você só colhe o que planta. Eu poderia ter desistido. Eu poderia ter me entregado e deixado alguma pra lá. Mas não, fui até o fim e até hoje colho os frutos de todo meu esforço e colherei para sempre, uma vez que meu aprendizado ficará eternamente na minha mente e no meu coração.

2 – Nem todas as pessoas são essenciais na nossa vida.

A gente tende a achar que precisamos de fulano para sobreviver, que não existe sentido na nossa vida se não tivermos aquela amizade, aquele romance ou aquele ídolo. Não, gente. Eu acredito que essencial só Deus e nossos pais (sejam biológicos ou de criação). Não deveríamos colocar expectativa em cima de ninguém, acreditar que precisamos dela pra tudo. Assim como nós iremos decepcionar alguém na nossa vida, as pessoas irão fazer isso conosco também. Se alguém saiu da sua vida, deixe-a ir. Isso significa que aquilo não era pra ser. Apenas agradeça pelos momentos passados, até aqueles mais tristes e de mágoas, eles também serviram como ensinamentos na tua vida.

3 – Julgar é errado e deveria ser proibido.

Ninguém vive a vida de ninguém. Ninguém sabe quem é ninguém. Ninguém conhece o coração de ninguém. Nem aqueles que tu convives todos os dias. Por isso, não deveremos atirar pedras. Quando alguém nos julga, ficamos arretados. Eu mesma fico. Não compreendo como alguém que só viu uma foto minha consegue tirar definições incríveis sobre a minha personalidade e eu não consigo fazer isso com anos de convívio com algumas pessoas. É inexplicável, não é? Por isso eu me policio sempre para não fazer o mesmo. Não sou hipócrita de dizer que nunca julguei, não julgo ou não vou julgar. Contudo, irei fazer o máximo para não cometer tais ações. Vamos tentar fazer isso também? Em 2017 vocês me dizem se conseguiram.

4 – Enxergar além do que nossos olhos nos mostra é essencial.

Como disse no começo, eu finalizei meu estágio esse ano. Eu não poderia falar nada mais nada menos do que isso sobre ele e o quão feliz eu sou por ter aprendido isso. O nosso mundo não é perfeito, nosso País tem pessoas fome, nosso estado tem pessoas com frio e na nossa cidade tem pessoas dormindo em barraco. Temos a capacidade de achar que isso só acontece em lugares longes, mas não, na nossa frente tem tudo isso. Quando passamos a ver, passamos a querer fazer. Passamos a querer ajudar, passamos a parar de reclamar e nos impressionar com a nossa futilidade. É indispensável que cada pessoa, inclusive eu, abramos os olhos para que a gente dê poder ao nosso coração para sentir vontade de mudar. Se mesmo com os olhos abertos a gente não enxergue a maldade do mundo, devemos usar óculos para que isso aconteça. Para que a lama da crueldade não nos contamine, é necessário que saibamos onde ela está.

5 – Gratidão é a palavra chave da felicidade.

Pode até parecer uma frase clichê ou de alguém que não sabe nada, mas é a realidade. Quando aprendi isso, boa parte da minha caminhada se tornou mais leve. Ser gratos aos nossos amigos, aos nossos parentes, ao nosso trabalho, a natureza, ao mundo, aos nossos pertences e a nossa vida é essencial.  A luta pelo mais é cansativa, desgastante e nos traz péssimos frutos. Óbvio que devemos sonhar, mas com a cabeça lá em cima e nossos pés no chão. Existe tanta coisa que a gente tem, tanta coisa que é mais do que merecemos e só conseguimos pensar no que não temos. Valoriza-las faz um bem danado. Mostra-nos que a vida é mais do que qualquer coisa. Não deixe pra estimar quando perder. Depois você pode se arrepender.

Bom, com certeza aprendi muito mais do que isso e sei que ainda preciso amadurecer muito, aprender mais e ter uma alma cada vez mais leve. Porém, não posso negar que 2015 foi o ano em que tirei uma fenda dos meus olhos. Foi ano que renovei meu sim a Deus, o ano em que vi que tenho muito e que ninguém alcança nenhum objetivo se não lutar, se não caminhar com força. Parar para pensar no que a gente aprendeu também é um exercício espetacular, sabiam? Tentem fazer isso e me digam quais são os aprendizados que a vida lhe deu esse ano. Tenho certeza que são muitos. 

Martinha Barreto. 19 anos. Estudante de Engenharia Civil. Técnica em Edificações. Sonhadora. Apaixonada por MPB. Flamenguista doente. Viciada em livros. Escreve desde os 12 anos. Um pouco dramática. Um pouco exagerada. Meio Julieta. Meio Helena. Meio Marília. Meio Capitu. Inteiramente palavras.